quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Um Olhar do Paraíso



UM OLHAR DO PARAÍSO (The Lovely Bones¸2009, 135 min)
Produção: Estados Unidos / Reino Unido / Nova Zelândia
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Fran Walsh, Philippa Boyens e Peter Jackson
Elenco: Mark Wahlberg, Rachel Weisz, Saoirse Ronan, Susan Sarandon, Stanley Tucci, Michael Imperioli, Rose McIver.

Antes de realizar um dos maiores projetos cinematográficos de todos os tempos, a trilogia “O Senhor dos Anéis” (e se consagrar nas bilheterias e no Oscar por isso), o diretor Peter Jackson realizou um comovente e sombrio drama chamado “Almas Gêmeas” (Heavenly Creatures, 1994), sobre duas amigas que planejaram e executaram o assassinato da mãe de uma delas por temerem ser separadas (foi baseado num caso real ocorrido na Nova Zelândia na década de 50). “Almas Gêmeas” ganhou prêmio em Veneza, concorreu ao Oscar de Roteiro e revelou a atriz Kate Winslet. “Um Olhar do Paraíso” (2009), à primeira vista, poderia significar um retorno de Jackson ao estilo desta obra-prima ainda pouco reconhecida do começo da sua carreira, mas não foi o que aconteceu.

O filme, baseado no livro de Alice Sebold, conta a história de Susie Salmon (vivida pela atriz Saoirse Ronan). Susie é uma jovem inteligente e sensível, vivendo num subúrbio americano nos anos 70, quando é subitamente assassinada por um maníaco, um dos seus vizinhos, George Harvey (Stanley Tucci). Seu corpo nunca é encontrado, restando a Susie acompanhar, de um lugar entre o céu e a terra, as vidas de seus pais (Rachel Weisz e Mark Walhberg), dos seus amigos e como eles lidam com a tragédia. Ela também assiste indefesa à preparação de Harvey para um ataque à sua próxima vítima, que pode muito bem ser sua irmã.

Não se vê, em “Um Olhar do Paraíso”, nada do toque preciso e incomum do Peter Jackson que dirigiu “Almas Gêmeas”. Pelo contrário, o que temos aqui é um projeto inchado (precisava mesmo ter custado 65 milhões de dólares e ser tão recheado de efeitos visuais, observados nas sequências do pós-vida de Susie?). O roteiro também tem problemas: Saoirse está bem, mas sua personagem não evolui nem mesmo após a morte. O romance adolescente acompanhado por Susie é superficial e bobo, digno de um capítulo de novela. Quanto ao resto do elenco, Weisz é desperdiçada, Wahlberg é limitado e Susan Sarandon tem uma atuação completamente equivocada como a avó de Susie. Apenas Tucci cria uma figura interessante e assustadora (e foi merecidamente indicado ao Oscar de coadjuvante pelo papel), mas mesmo ele é sabotado pelo roteiro, que cria um dos desfechos mais patéticos dos últimos anos para o seu personagem. É como se Jackson, depois de fazer o maior épico de seu tempo, se tornasse incapaz de diminuir a escala e retornar ao tipo de filme pequeno, assustador e belo do inicio da carreira. “Um Olhar do Paraíso” é grande, indulgente e disperso demais, justamente o oposto do que deveria ser.

INDICAÇÃO:
- Melhor Ator Coadjuvante: Stanley Tucci

por Ivanildo Pereira

6 comentários:

Luís disse...

Me lembro de que o conferi no cinema e, logo após a sessão, fiquei com a impressão de que havia perdido meu dinheiro. O filme parece não se levar a sério, sobretudo porque os personagens são tão mal construídos que eles apenas causam riso, mesmo quando a situação é séria. Apesar da simpatia que sinto por Susan Sarandon, a participação dela no filme é um grande deboche!
hiasihihasihsahasihsa

Renan disse...

Acho que "inchado" é um bom adjetivo. O filme com certeza peca pelo excesso.

Também concordo que, do todo, só Tucci salva.

Nota 6,5

Hugo disse...

É um filme que promete muito e cumpre pouco.

Em alguns momentos fica a impressão do conteúdo ser baseado em algum livro de auto ajuda espiritual.

Abraço

Fernanda Wainer disse...

Acredito que não foi compreendido a intenção do filme. Superficial e bobo são os adjetivos que vc utiliza para caracterizar o romance da pequena protagonista. Ela é uma adolescente vivenciado sua primeira experiência amorosa. Como não poderia ser bobo e superficial? Ele é um colega de escola, conversa com ela tão pouco e, por timidez, a entrega um bilhetinho apaixonado. São, intencionalmente, situações simples e insinuantes, ou bobas e superficiais como vc qualifica.

Wilson Lima dos santos disse...

O filme é espetacular, minha opinião !

Anônimo disse...

Um dos melhores filmes que já vi na vida! É preciso sensibilidade suficiente para entender cada cena, cada cenário, cada dor.